Segurança é reforçada em escolas das redes pública e privada em Campos

Autoridades recomendam cuidado com a circulação de fake news e orientam maior atenção dos pais

As redes pública e particular de Educação de Campos vêm adotando medidas para reforçar a segurança nas unidades de ensino, incluindo a implementação de protocolos preventivos, rotina de orientação aos pais de alunos, uso de aparatos de vigilância e estreitamento do diálogo com as Polícias Civil e Militar. O objetivo é identificar e prevenir a prática de violência nas escolas do Município. Autoridades recomendam, ainda, cuidado com a circulação de fake news e atenção aos alunos e aos conteúdos que eles acessam por meio das redes sociais. O esforço acontece após a ocorrência de ataques em escolas de diferentes estados do país e a circulação, por meio de redes sociais e aplicativos de mensagens instantâneas, do que estas mesmas autoridades vêm classificando como “desinformação” e “fake news”.

Em entrevista concedida ao J3News na quinta-feira (13), o secretário municipal de Educação, Ciência e Tecnologia de Campos, Marcelo Feres, afirmou que a pasta prepara um manual para orientar agentes públicos sobre a comunicação e ação no ambiente pedagógico em caso de suspeita ou denúncia de atos violentos, com a criação de instrução operacional, em parceria com as Forças de Segurança, a fim de subsidiar as atividades nas unidades escolares da rede. Ele lembrou, ainda, que em Campos não houve registro de ataques a escolas e afirmou que as unidades de ensino gerenciadas pela pasta contam com porteiros de manhã, de tarde e de noite, com vigilantes 24h por dia e com a presença da Ronda Escolar, da Polícia Militar (PM).

O secretário alertou, por fim, para a necessidade dos pais dos alunos estarem atentos à origem das notícias que dizem respeito às escolas e manterem diálogo aberto com os filhos. “O primeiro passo é saber de onde vem essa informação. Não é possível a gente receber uma notícia, um card em rede social, e considerar aquilo uma verdade. E o segundo passo, tão fundamental quanto, é não propagar. Pois, se você não sabe de onde vem aquela informação, mas entra em pânico e passa para outro, você só vai piorar a sensação de insegurança. Também é preciso ter atenção e diálogo com seus filhos. A escola e a nossa rede de segurança municipal estão fazendo seu papel. A sociedade tem profissionais responsáveis e de inteligência capazes de identificar [uma ameaça real]. Não cabe mantermos nossas crianças presas dentro de casa. Não vai resolver o problema”, garante.

Em nota, a Prefeitura de Campos informou que “a Secretaria Municipal de Educação, Ciência e Tecnologia (Seduct) continua monitorando as unidades escolares da rede municipal de ensino em parceria com a Guarda Civil Municipal, Polícia Militar e a Polícia Civil, a fim de garantir a segurança de alunos e profissionais das escolas e creches” e que “as unidades escolares da rede municipal de ensino são orientadas pela Seduct a solicitarem apoio das forças de segurança pública sempre que necessário”.

Estado atua junto a Polícias Civil e Militar

O Governo do Estado do Rio de Janeiro informou, também por meio de nota, que: “criou uma série de medidas para identificar e prevenir a violência nas escolas. A Polícia Civil instaurou inquérito para monitorar aplicativos e perfis em redes sociais em que o conteúdo indique possível ataque a uma unidade escolar. Já a Polícia Militar intensificou o trabalho da Patrulha Escolar com ações preventivas e reforçou o policiamento em unidades escolares que receberam denúncias”. Adicionalmente, a PM trabalha no desenvolvimento do aplicativo ‘Rede Escola’ com botão de emergência que aciona eletronicamente o serviço 190, e a Secretaria de Estado de Educação (Seeduc), atua em parceria com as Polícia Civil e Militar, encaminhando as denúncias que vêm surgindo nas redes sociais e que estão causando preocupação entre os alunos, pais e profissionais da rede de ensino.

Sinepe orienta escolas particulares a reforçarem segurança

De acordo com o advogado Bruno Lannes, que representa o Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino (Sinepe) do Norte e Noroeste do Estado do Rio de Janeiro, as escolas particulares de Campos “contam com porteiros, cercas, câmeras e sensores, além de protocolos de segurança com restrição de acesso na entrada e saída de alunos e demais participantes da processo educacional”. O Sinepe, no entanto, emitiu uma nota pública, por meio da qual orienta instituições de ensino associadas a “aumentarem a vigilância neste período, restringindo o acesso interno a pessoas autorizadas, reforçando os protocolos de segurança e utilizando, na medida da capacidade de cada uma, todas as possibilidades lícitas para aumentar a segurança local, como alarmes, cercas elétricas e sensores de presença”.

Parte das escolas particulares de Campos já começou a adotar medidas neste sentido. Comunicados direcionados aos pais e responsáveis, emitidos por diferentes unidades de ensino do município ao longo da semana, prevêem a adoção de medidas extras de segurança, incluindo a contratação de pessoal especializado na atuação no ambiente escolar e a manutenção de portões fechados, exceto nos horários de entrada e saída dos estudantes. A implementação de ciclos de palestras para alunos abordando questões como emoções e bullying, por exemplo, e o reforço do corpo de profissionais de Psicologia e Assistência Social também estão entre as medidas adotadas pela rede particular no município.

O NABALANCANF APENAS REPOSTA A NOTÍCIA QUE SE FEZ PÚBLICA SEM TECER QUALQUER COMENTÁRIO A RESPEITO DA MATÉRIA OU SE RESPONSABILIZAR PELA MESMA. TEM O CUNHO MERAMENTE INFORMATIVO.
Fonte
JORNAL TERCEIRA VIA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − dezesseis =

Especialista

Olá! você têm alguma dúvida?