JANEIRO TAMBÉM É O MÊS DE CONSCIENTIZAÇÃO E COMBATE À HANSENÍASE

Considerada uma doença negligenciada, que atinge com frequência populações com baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), a Hanseníase é uma enfermidade que afeta primariamente a pele e os nervos, com alto potencial de causar incapacidades e deformidades físicas. Ela é causada por uma bactéria que já está muito acostumada com o ser humano, a Mycobacterium leprae, e é responsável, no Brasil, por 30 mil casos novos a cada ano, sendo relativamente comum no país, mas ainda muito estigmatizada.

Pensando na gravidade da doença, em seu potencial debilitante e na falta de informação sobre a enfermidade, o Tribunal Regional Federal da 5ª Região – TRF5 aderiu à campanha do Janeiro Roxo, um movimento promovido pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) para alertar sobre os principais sinais e sintomas da Hanseníase, além de reforçar a importância do diagnóstico precoce e do tratamento. Em homenagem à campanha, o TRF5 ilumina sua fachada com a cor roxa durante o primeiro mês deste ano.

Podem ser considerados sintomas de Hanseníase: manchas (esbranquiçadas, amarronzadas e avermelhadas) na pele com mudanças na sensibilidade dolorosa, térmica e tátil; sensação de fisgada, choque, dormência e formigamento ao longo dos nervos dos membros; perda de pelos em algumas áreas e redução da transpiração; inchaço e dor nas mãos, pés e articulações; dor e espessamento nos nervos periféricos; redução da força muscular, sobretudo nas mãos e pés; caroços no corpo; pele seca; olhos ressecados; feridas, sangramento e ressecamento no nariz; além de febre e mal-estar geral.

Caso sejam identificados um ou mais sintomas, é preciso procurar ajuda médica. Familiares, amigos e colegas próximos à pessoa infectada também devem ficar atentos ao aparecimento de algum sintoma e necessitam ir ao médico para serem examinados. Uma dose da vacina BCG pode ser recomendada. Atualmente, o tratamento contra a doença tem sido bastante eficaz, com a interrupção de sua transmissão logo nas primeiras doses dos medicamentos prescritos.

(Fonte: Sociedade Brasileira de Dermatologia).

 

Por: Divisão de Comunicação Social – TRF5
O NABALANCANF APENAS REPOSTA A NOTÍCIA QUE SE FEZ PÚBLICA SEM TECER QUALQUER COMENTÁRIO A RESPEITO DA MATÉRIA OU SE RESPONSABILIZAR PELA MESMA. TEM O CUNHO MERAMENTE INFORMATIVO.
Fonte
TRF5

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 − dois =

Especialista

Olá! você têm alguma dúvida?