CPMA registra crescimento de 233% no atendimento de demandas na comarca de Lages

A Central de Penas e Medidas Alternativas (CPMA), implantada na comarca de Lages em dezembro de 2020, em plena pandemia, registrou acréscimo de 233% no número de pessoas atendidas nestes últimos três anos – pulou de 105 para 350 intervenções em 2023.

Nesse período, a unidade evoluiu no desenvolvimento de projetos, com reflexo no aumento do número de atendimentos. Dados estatísticos relacionados às alternativas penais e ao regime aberto foram apresentados pela coordenação da CPMA aos magistrados da comarca neste mês.

As Centrais de Penas e Medidas Alternativas são responsáveis pelo acompanhamento e execução de medidas aplicadas aos infratores que cometeram crimes de baixo potencial ofensivo, sem privá-los do convívio social. São penas restritivas de direitos alternativas à privação de liberdade, que possuem caráter educativo e que trazem benefícios à sociedade.

A equipe elaborou um informativo com um compilado de informações sobre as modalidades de alternativas penais, perfil das pessoas atendidas, número de atendimentos, projetos, como ocorrem as atividades e são feitos os acompanhamentos.

O incremento no último ano tem sua explicação. “Em março, a equipe passou a atender pessoas em cumprimento do regime aberto. São os que saíram da prisão ou recebem esse regime direto na decisão judicial. Só deste grupo foram 165 assistidas por psicólogos e assistentes sociais”, aponta a coordenadora, policial penal Rubia Marluza Carneiro.

As outras 185, complementa, são pessoas em alternativa penal. Depois de uma avaliação pela equipe psicossocial, essas, diferente daquelas que estão em regime aberto, são encaminhadas para prestação de serviços à comunidade. Elas não foram presas e receberam uma alternativa à pena privativa de liberdade.

Um perfil de ambos os grupos foi traçado. O público relacionado ao regime aberto é composto de homens com idade entre 30 e 40 anos, solteiros, naturais de Santa Catarina, não reincidentes, egressos e com ensino fundamental incompleto. Os delitos de maior incidência são os relacionados à Lei Maria da Penha, tráfico de drogas e furto.

Já aqueles que prestam serviço à comunidade são homens entre 21 e 30 anos, catarinenses, com ensino fundamental incompleto, não reincidentes e não egressos. Neste grupo, os delitos mais frequentes são crimes de trânsito, Lei Maria da Penha e lesão corporal.

Na comarca de Lages, a CPMA desenvolve três projetos de prevenção à reincidência criminal. As atividades de reflexão são direcionadas a pessoas envolvidas em casos de violência doméstica, substâncias psicoativas e crimes de trânsito. A CPMA foi viabilizada por meio de um termo de cooperação técnica entre o Tribunal de Justiça de Santa Catarina, o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) e a Secretaria de Estado da Administração Prisional e Socioeducativa (SAP).

O coordenador das Penas Alternativas e Apoio ao Egresso de SC, Igor Bandeira de Matos, enfatiza que o juiz Alexandre Takaschima, entusiasta das alternativas penais, tem auxiliado em boa parte dos trabalhos desenvolvidos pela Central em Lages. “Como diretor do Foro, garantiu um espaço exclusivo para a realização por esta equipe dos grupos reflexivos, chamados Refletir, Cidadania sobre Rodas e Vem Ser. Também garantiu recursos para a compra de equipamentos através de projetos que auxiliam na execução dos referidos grupos”, conclui Igor.

Imagens: Divulgação/Comarca de Lages
Conteúdo: Assessoria de Imprensa/NCI
Responsável: Ângelo Medeiros – Reg. Prof.: SC00445(JP)
O NABALANCANF APENAS REPOSTA A NOTÍCIA QUE SE FEZ PÚBLICA SEM TECER QUALQUER COMENTÁRIO A RESPEITO DA MATÉRIA OU SE RESPONSABILIZAR PELA MESMA. TEM O CUNHO MERAMENTE INFORMATIVO.
Fonte
TJSC

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 − quinze =

Especialista

Olá! você têm alguma dúvida?