Com mais de 60 casos em janeiro, Campos amplia capacidade do Centro de Referência da Dengue

Município havia registrado nove casos em dezembro de 2021

O aumento do número de casos de dengue em Campos motivou a Prefeitura de Campos a ampliar a capacidade de atendimento ambulatorial e de hidratação no Centro de Referência da Dengue e Pós-Covid Dr. Jayme Tinoco Netto.  Paralelo a esse aumento, está acontecendo à capacitação dos profissionais das Unidades Pré-Hospitalares (UPH) para acolhimento e seguimento dos casos suspeitos e confirmados da doença. Com a diminuição de casos de covid-19, o local passa a ser exclusivamente referência para atendimentos de casos suspeitos de dengue, zika e chikungunya.

O médico Luiz José de Souza, Coordenador do Centro de Referência da  Dengue, informou que em dezembro de 2022 o município havia registrado nove casos de dengue, mas que em janeiro o número aumentou para mais de 60 casos. “Nós estamos atendendo em média 30 pessoas por dia com sintomas, esse aumento brusco de casos nos preocupou e acendeu um alerta para a possibilidade de um surto epidêmico, por isso é tão importante investirmos na prevenção. O transmissor da dengue é o mosquito Aedes aegypti. Ele pica a pessoa doente e ao picar outra pessoa ele transmite a doença, por isso precisamos evitar os criadouros, para assim evitar a proliferação do mosquito”, ressalta Luiz José.

O Coordenador do Centro de Referência também chama atenção para a questão dos casos confirmados serem de moradores de diversos bairros de Campos, o que demonstra que os criadouros estão espalhados pela cidade. “Temos casos no Centro, Guarus, em vários distritos, inclusive já atendemos pacientes de São João da Barra também com dengue”, diz.

A Prefeitura informou que está implantando ações integradas que visam combater os focos do Aedes aegypti por meio de grandes mutirões que serão realizadas pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) em parceria com outras secretarias municipais. Também será desenvolvida campanha de informação à população sobre as formas de prevenção à Dengue, Zika e Chikungunya, incentivando o autocuidado e a remoção mecânica dos criadouros.

O NABALANCANF APENAS REPOSTA A NOTÍCIA QUE SE FEZ PÚBLICA SEM TECER QUALQUER COMENTÁRIO A RESPEITO DA MATÉRIA OU SE RESPONSABILIZAR PELA MESMA. TEM O CUNHO MERAMENTE INFORMATIVO.
Fonte
JORNAL TERCEIRA VIA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × três =

Especialista

Olá! você têm alguma dúvida?