Alerj vota política pública de combate ao racismo nos estádios

Lei de Política Estadual Vini Jr de Combate ao Racismo nos Estádios e Arenas Esportivas é de autoria do deputado Prof.Josemar (PSOL)

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) vota em discussão única, nesta terça-feira (6), o Projeto de Lei 1.112/23, do deputado Prof. Josemar (PSol), que cria a Política Estadual Vini Jr de Combate ao Racismo nos Estádios e Arenas Esportivas. Com a medida, as partidas poderão ser interrompidas e até mesmo encerradas quando houver qualquer denúncia ou manifestação racista. Caso receba emendas, o texto sairá de pauta.

De acordo com a proposta, o jogo ficará interrompido pelo tempo que o organizador do evento ou o delegado da partida julgar necessário e enquanto não cessarem as atitudes reconhecidamente racistas. Em caso de atos racistas praticados por grupos ou de forma reincidente, será facultativo o encerramento do jogo – possibilidade que deverá ser informada ao árbitro pela organização do evento ou o delegado da partida.

As medidas fazem parte do “Protocolo de Combate ao Racismo”, em que qualquer cidadão poderá informar condutas racistas a qualquer autoridade presente no estádio: bombeiros, policiais ou seguranças. A partir daí, a denúncia deverá ser encaminhada à organização do evento e às autoridades, incluindo a Comissão de Combate às Discriminações da Alerj e a Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi).

“Esse protocolo visa a possibilidade das autoridades esportivas de eventos realizados no estado do Rio de Janeiro terem a obrigatoriedade de seguir um rito que propiciará a não anuência do poder público com práticas racistas”, comentou o autor do projeto, deputado Prof. Josemar (PSol).

A política também prevê a divulgação de campanhas educativas nos intervalos das partidas, preferencialmente em telões e alto-falantes, e de políticas públicas para atendimento das vítimas de racismo.

Entenda o caso do Vini Jr

Durante o jogo entre Real Madrid e Valencia, no Estádio Mestalla, em maio, a torcida valenciana gritou insultos como “macaco” direcionados ao Vini Jr, jogador do Real Madrid. A partida foi interrompida e até o locutor do estádio teve que pedir para que torcedores parassem de insultar o atacante para que a partida pudesse ser reiniciada.

Já nos minutos finais do jogo, o goleiro do Valência, Mamardashvili, partiu para cima de Vini Jr, iniciando uma confusão generalizada. Vinícius sofreu uma espécie de ‘mata-leão’ do jogador Hugo Duro, foi empurrado e, ao reagir, acabou sendo expulso após análise do VAR. Nada aconteceu com os jogadores do Valência.

Entre outros casos de racismo envolvendo o atleta brasileiro na Espanha, um de maior destaque ocorreu em janeiro deste ano, quando torcedores do Atlético de Madrid penduraram em uma ponte da capital espanhola um boneco com a camisa do Vinícius Júnior e uma faixa escrita “Madri odeia o Real”.

Fonte: Alerj

O NABALANCANF APENAS REPOSTA A NOTÍCIA QUE SE FEZ PÚBLICA SEM TECER QUALQUER COMENTÁRIO A RESPEITO DA MATÉRIA OU SE RESPONSABILIZAR PELA MESMA. TEM O CUNHO MERAMENTE INFORMATIVO.
Fonte
JORNAL TERCEIRA VIA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × quatro =

Especialista

Olá! você têm alguma dúvida?