A JE Mora ao Lado: mesário usa experiência em empreendedorismo para prestar bom serviço a eleitores

Carlos Eduardo Gomes exerce trabalho voluntário nas eleições há mais de uma década em Pernambuco

Você já parou para pensar como seria votar sem as instruções de uma mesária ou mesário? Questionado sobre a importância do exercício da função, o empreendedor e agente de desenvolvimento Carlos Eduardo Gomes, de 42 anos, responde, sem hesitar: “Já imaginou o caos que seria?”. Morador de Afogados da Ingazeira (PE), o voluntário atua como mesário há pelo menos 15 anos na cidade em que nasceu e cresceu.

No dia a dia, Carlos trabalha prestando consultorias sobre como gerir empresas e gerenciar conflitos. Nos dias de eleição, o pernambucano também aplica esses conhecimentos dentro da seção. “Ali também existem desafios de diversos modos, seja na gestão da seção, bem como na organização da votação em si”, compara.

Para desempenhar o trabalho de mesário da melhor forma possível, Carlos assemelha eleitoras e eleitores com clientes. “Devemos prestar a eles um bom serviço. Temos que orientá-los, até porque muitos têm certa dificuldade na hora de votar”, afirma o consultor.

Veja a entrevista no canal do TSE no YouTube

 

A JE Mora ao Lado - 10.10.2023

 

Motivação para atuar como mesário

Foi a partir de um singelo convite que Carlos Eduardo iniciou sua colaboração com a Justiça Eleitoral. “Uma amiga me perguntou se eu queria ser voluntário. Eu disse que tudo bem e, desde então, tenho participado de todos os anos [eleitorais]”, conta.

A motivação para atuar como mesário desde 2008 parte do desejo de Carlos de prestar um serviço à sociedade. “Nós temos que ser responsáveis pelas nossas razões. Acredito também que temos que ser úteis. Acho que esse é o meu papel, já que não sou uma pessoa pública: fiscal da eleição”, ressalta o empreendedor.

Ele acrescenta que o benefício da folga, obtido com a prestação de serviço à Justiça Eleitoral, é o “de menos, irrelevante”. “[Fazer] a sua atividade e sua tarefa no processo eleitoral para tudo ocorrer de forma tranquila, correta e séria é, para mim, o que tem de mais valor”, afirma Carlos Eduardo.

Um grande passo para toda a sociedade

A experiência como mesário também conduziu Carlos a uma maior consciência política. Hoje, ele compreende que o voto dele tem muito mais importância. “A boa escolha não é só para mim, é para todos os cidadãos”, reflete.

Ele recomenda, ainda, que outras pessoas experimentem o trabalho de mesário. “A atitude de se tornar um mesário voluntário já é um grande passo para a mudança não só na sua vida, mas em toda a sociedade”, conclui.

Série Mesários

Esta história faz parte da série Mesários – A Justiça Eleitoral Mora ao Lado. Os textos estão sendo publicados desde fevereiro de 2022, mês em que a Justiça Eleitoral comemorou 90 anos. A ideia é mostrar que a atuação para garantir o processo democrático por meio das eleições só é possível graças às mesárias e aos mesários que participam ativamente do processo eleitoral em todo o país.

JV/EM, DM

O NABALANCANF APENAS REPOSTA A NOTÍCIA QUE SE FEZ PÚBLICA SEM TECER QUALQUER COMENTÁRIO A RESPEITO DA MATÉRIA OU SE RESPONSABILIZAR PELA MESMA. TEM O CUNHO MERAMENTE INFORMATIVO.
Fonte
TSE

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − 7 =

Especialista

Olá! você têm alguma dúvida?