25 DE JULHO: DIA INTERNACIONAL DA MULHER NEGRA LATINO-AMERICANA E CARIBENHA

Para unir mulheres negras de todo o mundo na luta contra o racismo e o machismo, há 31 anos é comemorado o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha. A ideia surgiu em 25 de julho de 1992, no 1º encontro de Mulheres Negras Latino-Americanas e Caribenhas, em Santo Domingo, República Dominicana. No Brasil, a data foi oficializada em 2014, com a promulgação da Lei 12.987/2014.

Em 25 de julho também é celebrado o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra. Tereza de Benguela foi uma líder quilombola de destaque que resistiu à escravidão durante duas décadas no século XVIII, lutando pela comunidade negra e indígena que vivia sob sua liderança.

TJRJ

Contribuir para a promoção da igualdade racial e de gênero é um dos compromissos do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Para debater, analisar, criar e executar ações e políticas para mulheres negras no âmbito do Tribunal, foi criado o “Grupo de Trabalho para o desenvolvimento de ações e políticas voltadas para mulheres negras”,  instituído pelo Ato Executivo nº 136/2022 como órgão colegiado administrativo de assessoria e auxílio à Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (COEM).

Propor pesquisas sobre questões raciais no âmbito do Poder Judiciário; apresentar propostas de políticas públicas judiciárias na promoção da igualdade de acesso, de permanência e de ascensão das mulheres negras no sistema de Justiça; propor a formação e capacitação de servidores(as) públicos(as) e magistrados(as) em gênero, raça, etnia e direitos humanos; e promover campanha institucional de denúncia e combate à discriminação e aos estereótipos das imagens veiculadas sobre as mulheres negras são algumas das atribuições do Grupo de Trabalho.

 

Departamento de Comunicação Interna

O NABALANCANF APENAS REPOSTA A NOTÍCIA QUE SE FEZ PÚBLICA SEM TECER QUALQUER COMENTÁRIO A RESPEITO DA MATÉRIA OU SE RESPONSABILIZAR PELA MESMA. TEM O CUNHO MERAMENTE INFORMATIVO.
Fonte
TJRJ

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 − sete =

Especialista

Olá! você têm alguma dúvida?