150 dias após as Eleições 2022: o caminho das urnas após a votação

Equipamentos são armazenados no TSE e nos TREs e submetidos a procedimentos de manutenção e fiscalização constantes

Esta quarta-feira (29) marca os 150 dias após o segundo turno das Eleições 2022, realizado no dia 30 de outubro. Depois de percorrer um longo caminho entre o início e o final das eleições, as urnas eletrônicas retornam aos 1,1 mil locais de armazenamento espalhados pelo país, onde são guardadas com segurança e passam por manutenção periódica até a chegada de um novo pleito. Essas tarefas são de responsabilidade dos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs), que podem mantê-las em um único depósito ou distribuí-las pelos cartórios eleitorais.

Enquanto isso, no edifício-sede do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília, aproximadamente 15 mil urnas ficam guardadas em um galpão que abriga a chamada reserva técnica. Essas urnas podem ser usadas para substituir outras em casos especiais, como danos ocorridos em locais de armazenamento, por exemplo. O espaço possui 2,5 mil metros quadrados, pé direito com mais de cinco metros de altura e ventilação adequada que ajuda a preservar os componentes eletrônicos das máquinas.

Fiscalização e linha do tempo

Com o fim da votação no segundo turno, as entidades fiscalizadoras podem solicitar dados e documentos relativos àquela etapa da eleição, entre os quais o Registro Digital do Voto (RDV), o log das urnas e imagens dos Boletins de Urna (BUs), todos gerados pelas urnas eletrônicas.  Ainda nos primeiros 150 dias após as eleições, o calendário eleitoral determina o recebimento, pelo TSE, de relatórios conclusivos de fiscalizações realizadas na auditoria de funcionamento das urnas por instituições conveniadas e empresas de auditoria. Esses documentos são publicados na página do Tribunal 30 dias após as eleições.

Lembrando que o processo eleitoral possui inúmeras oportunidades de auditoria e fiscalização antes, durante e depois. Além das entidades formalmente designadas, os cidadãos também podem participar de cada uma das etapas.

Confira o calendário completo aqui.

Em pouco mais de dois meses após as eleições, ocorrem alguns procedimentos com as urnas eletrônicas, desde que as informações nelas contidas não sejam objeto de discussão em processo judicial. São eles: a remoção dos lacres das urnas; a retirada e formatação das mídias de votação, de carga e de resultados; e, por fim, a manutenção das urnas.

Recarga de bateria a cada 120 dias - 29.03.2023

Manutenção

Uma vez armazenadas, as urnas eletrônicas passam por ciclos periódicos de testes e manutenções. O sistema que testa os componentes eletrônicos é desenvolvido pelo TSE e chamado de Sistema de Teste Exaustivo (STE). Quando algum componente apresenta mau funcionamento, pode ser aberto chamado de manutenção para conserto ou substituição do item. Periodicamente, as baterias são carregadas para garantir o máximo tempo de vida útil, que é estimado em torno de dez anos.

Recarga de bateria a cada 120 dias - 29.03.2023

É importante destacar que a empresa que faz a manutenção das urnas é incapaz de instalar nelas quaisquer softwares desconhecidos. A cadeia de segurança em hardware é a garantia de que apenas sistemas assinados pelo TSE sejam executados nas urnas eletrônicas.

Descarte ecologicamente correto

Depois de uma década [em média] trabalhando pela democracia colhendo o voto dos brasileiros, as urnas eletrônicas são descartadas de maneira sustentável. Para garantir que isso ocorra, esse procedimento é realizado por empresa terceirizada contratada por meio de licitação pública, e que deve assumir o compromisso de seguir um rigoroso protocolo de segurança.

Inicialmente, as urnas para descarte são coletadas e desmontadas, com separação de material por tipo (metal, plástico, borracha, placas leves, placas pesadas e outros). Partes exclusivas da urna são descaracterizadas e têm os materiais moídos ou quebrados em pequenos pedaços para que placas eletrônicas ou partes visuais do equipamento não possam ser aproveitadas. Por fim, quase todo o equipamento é reciclado. Algumas empresas contratam cooperativas de reciclagem que acabam criando diversos outros produtos. Modelos antigos de urnas eletrônicas já tiveram cabos destinados à produção de correias de sandálias ou solas de sapato, e as espumas das caixas das urnas já foram utilizadas para a confecção de pufes, por exemplo.

Essas fases são acompanhadas por equipes da Justiça Eleitoral, que auditam todo o processo de recolhimento, recebimento, descarte e descaracterização. Servidores também verificam o atendimento de outras exigências pela empresa contratada, que deverá apresentar um relatório final ao TSE.

JV/CM, DM

O NABALANCANF APENAS REPOSTA A NOTÍCIA QUE SE FEZ PÚBLICA SEM TECER QUALQUER COMENTÁRIO A RESPEITO DA MATÉRIA OU SE RESPONSABILIZAR PELA MESMA. TEM O CUNHO MERAMENTE INFORMATIVO.
Fonte
TSE

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + 19 =

Especialista

Olá! você têm alguma dúvida?